Comida de verdade é aquela feita em casa, apontam nutricionistas

Nas grandes metrópoles, como São Paulo, a maioria dos trabalhadores não têm tempo de almoçar em casa durante a semana. A solução acaba sendo comer em restaurantes e lanchonetes.  Tal situação provoca a má alimentação do indivíduo e, consequentemente, problemas de saúde como, por exemplo, aumento do peso e colesterol alto. Segundo dados deste ano do Ministério da Saúde, 51% da população brasileira está com excesso de peso. Mas qual seria a melhor opção para ter uma vida saudável?

Foi pensando na qualidade de vida de executivos e trabalhadores em geral, que as nutricionistas Ana Luísa Barreto, Bruna Poncioni e Rafaella Dusi colocaram a mão na massa e criaram a empresa RealFood Nutricare, neste ano. A proposta é aliar atendimento nutricional com o preparo de refeições saudáveis para serem congeladas e consumidas durante o trabalho. A ideia é justamente substituir a alimentação feita nas ruas por comidas caseiras. “Apesar da população estar hoje em uma contínua busca pela saúde e esse assunto ser muito abordado nas mídias em geral, a vida saudável ainda é constantemente deixada de lado”, pontuam as nutricionistas da RealFood Nutricare.

O nome RealFood Nutricare faz referência à alimentação real, verdadeira, com características de comida caseira. Para as sócias da empresa é muito importante estabelecer hábitos e prioridades na alimentação diária de um indivíduo que tem uma semana cheia de tarefas. Além disso, é preciso ter cuidado com a conversação de alimentos. “Por existir essa dificuldade, nosso objetivo é levar a saúde até as pessoas, de uma forma cômoda e segura, incentivando para que elas não desistam de buscar a vida saudável”, ressaltam as três.

Para elas, vida saudável é definida em três palavras: equilíbrio, moderação e harmonia. “A saúde em si, é complexa, e não é simplesmente a ausência de doenças. Depende também do contexto em que a pessoa está inserida. Mas se exageros e privações extremas forem evitados, e não só na alimentação, mas em todos os âmbitos da vida, essa vida saudável não é difícil de ser alcançada”, finalizam as nutricionistas.

Voluntários ajudam iniciantes a pedalarem com segurança nas ruas de São Paulo

bike-anjo

Apesar do ciclismo já ter sido bem abordado aqui no 1,2,3 corre, não poderia ficar de fora dessa série de matérias o projeto Bike Anjos. Os Bike Anjos, como o próprio nome sugeri, é um grupo de voluntários que ensinam as pessoas a andar de bike e a pedalar com segurança nas grandes cidades urbanas, como São Paulo.

Criado em 2010, o projeto, que nasceu na capital paulista, já existe em 160 cidades brasileiras, além ter expandido para outros países como Estado Unidos e Portugal. E a Austrália já tem planos para implantar o Bike Anjos no país também.

Segundo JP Amaral, um dos fundadores do projeto, nesses três anos de existência, já foram atendidas cerca de 5 mil pessoas só no Brasil. E a maioria delas são mulheres entre 20 e 30 anos. Mas não são somente as aulas que chamam a atenção do público, mas as atividades, como oficinas e passeios. “É uma forma de integrar diferentemente com a cidade de São Paulo”, ressalta ele.

JP ainda conta que no ano passado no Dia Mundial sem Carro uma empresa contratou eles para fazer uma pedalada com os seus funcionários. A finalidade era promover o uso da bike como transporte diário. Na hora do almoço, mesmo de baixo de chuva, 20 funcionários desse escritório subiram na bicicleta e foram com os Bike Anjos almoçar em um lugar distante.

Todo último domingo do mês os Bikes Anjos promovem o EBA – Escola Bike Anjo – na Praça dos Arcos – entre a Av. Paulista e a Av. Angélica. Lá eles se reunem com a população interessada em aprender e reaprender a andar de bike.  Vale a pena conferir de perto essas aulas, veja aqui.

Chuva marca segundo dia de Virada Esportiva

Nem as nuvens no céu e os pingos de chuva foram capazes de acabar com a diversão da população paulista no segundo dia da Virada Esportiva 2013. O Parque Ibirapuera, por exemplo, ficou cheio de corredores, basqueteiros e jogadores de Bike Polo, além de admiradores dessas atividades.

IMG_1260 Nesse domingo de Virada, os paulistas puderam participar da 21° Maratona de Revezamento Pão de Açucar ao redor do Ibirapuera, jogar torneios de trios de streetball, ter aulas de tênis e acompanhar os campeonatos internacionais de Bike Polo. E para celebrar o Dia Nacional de Luta pelos Direitos da Pessoa com Deficiência, que foi ontem dia 21 de setembro, tinham cinco cadeiras de rodas adaptadas disponibilizadas para o curiosos sentarem e sentirem a sensação  de jogar basquete em uma cadeira de rodas.

IMG_1259E no dia que celebra a data mundial sem carro, o que mais chamou a atenção dos que passeavam no Ibirapuera foram os jogos do Campeonato Sulamericano de Bike Polo e o Campeonato Feminino Latino Americano de Bike Polo, o Interpolas.

Havia crianças, adolescentes e adultos acompanhando as mais de30 equipes formadas por atletas vindos de praticamente todos os países da América do Sul, além da Costa Rica. E mesmo debaixo de chuva, a plateia e torcida continuava na beira da quadra adaptada ao esporte com seus guarda-chuvas abertos. Enquanto o torneio não acabava, os novos e velhos admiradores do esporte permaneciam com os olhos atentos a todas as jogadas e dribles das bikes e tacos com ou sem bola.

IMG_1267Nesses dois torneios de Bike Polo, foi possível ver de tudo, desde abraços, cumprimentos entre equipes, gritos de guerra, gols, dribles com as bicicletas como também xingamentos e “tacadas na cara”. Mas isso é pauta para o próximo post aqui no 1,2,3, corre.

Começa hoje a sétima Virada Esportiva

Neste sábado, 21 de setembro, acontece a sétima Virada Cultural. Como já foi reportado aqui, serão mais de duas mil atividades esportivas disponibilizadas para a população paulista, durante 34 horas, em 200 locais diferentes espalhados pela cidade. Das 8 horas deste sábado às 18hs de domingo, serão oferecidas desde recreações infantis, como brinquedos infláveis e pique bandeirinha, a streetball – basquete de rua -, stand sp, caiaque,  oficina de tênis, corrida de skate, clínica de wakeboard, passeio noturno de patins e até bungee trampolim e rapel. Tem diversão para todos os gostos e públicos!

Em entrevista para o 1,2,3 corre!, o coordenador da assessoria de comunicação da Secretaria de Esportes, Lazer e Recreação da cidade de São Paulo, Eder Brito, relatou parte dos desafios e conquistas da Virada Esportiva durante esses sete anos de existência, sendo cinco anos acompanhados por ele.

Como a Virada Esportiva ganhou essa dimensão e o reconhecimento da população?

A Virada Esportiva virou um evento da cidade de São Paulo. O paulistano já o aguarda. Mas, ela só é o que é porque acontece somente uma vez por ano. A Virada Esportiva já é uma marca. Ela se torna um objeto de desejo porque ela só é disponibilizada em um espaço curto de tempo. O conceito dela é convidar as pessoas a praticar alguma atividade e a consumirem esporte.

Porque geralmente a Virada acontece no mês de setembro?

A escolha da data tem a ver com a chegada da primavera.  As piscinas públicas normalmente reabrem com a chegada dessa estação. Além disso, significa também o começo dos seis meses em que a população faz mais esporte – durante a primavera e verão.  Em 2008 e 2012, a Virada só não aconteceu em setembro por conta do período das eleições. Por exemplo, no ano passado foram nos dias 30 de junho e 1° de julho.

Como é feita a seleção das atividades que serão oferecidas no evento?

A seleção dos esportes que participam da virada acontece por meio de três meios:  o primeiro, a gente convida a Secretaria de Educação para desenvolver atividades pelo SESC e os CEUs; segundo, nos clubes que, normalmente, o diretor e o supervisor de esportes se juntam para montar a curadoria; e o terceiro, com as atividades contratadas pela Secretaria de Esportes. Neste último caso, o critério é qual é o potencial de participação de cada atividade.

O que você destaca de interessante e diferente nesta edição comparado as anteriores?

Para mim o mais interessante na virada 2013 é o que acontece depois porque é o começo de uma resposta que já tinha um bom tempo que queríamos dar. Reclamavam que nós fazíamos um super evento na virada e depois nada. Agora nós vamos continar fazendo com o “Revirando a Virada”. São 11 locais que participarão, ainda é um projeto piloto. Mas vai ajudar e mudar muito para melhor os bairros. A gente tem que fazer justamente porque tem problema nesses locais.

Nadar em excesso pode prejudicar a vida de um atleta

Nesses dias quentes na capital paulista, uma boa opção para se exercitar é natação. Realizada muito por crianças em fase de crescimento, essa atividade pode ser muito bem aproveitada por  aqueles que pretendem manter o físico, emagrecer e ter uma vida saudável. Mas é necessário tomar cuidado para não exagerar na dosagem do exercício.

O nadador profissional César Cielo é um exemplo do que o excesso dessa atividade pode causar. No final do ano passado, ele fez uma cirurgia nos joelhos para curar a tendinopatia, doença nos joelhos causada pelo excesso de musculação e treinos durante as competições no ano passado. Ele teve que ficar alguns meses fora das piscinas, fazendo fisioterapia, treinos leves de natação e fortalecimento da musculatura em aulas de musculação.

Para o American College of Sports Medicine, pelo menos uma hora de intensidade moderada de natação durante cinco vezes por semana pode ajudar na perda de peso. Segundo Leonardo, o tempo de natação ainda depende do objetivo da pessoa, pois pode ser para competição ou aula. “Para competição, tem treinos de até 12 horas,sendo seis horas pela manhã e 6 à noite de  segunda-feira a sábado.Tendo ainda a parte de musculação e outras atividades incluidas. A aula só para aprender ou exercitar pode ser de 45 minutos a 1 hora, sendo duas vezes por semana”, pontua ele.

A natação é indicada para melhorar a função cardíaca e pulmonar, a flexibilidade, o humor e estimula a perda de peso. E ainda trabalha a coordenação motora e o aeróbico, além de ajudar pessoas com problemas respitatórios, como renite e bronquite. Segundo o Conselho Americano de Exercício, a flutuabilidade da água reduz o “peso” de cerca de 90%, resultando em uma redução significativa na pressão sobre os quadris, joelhos e as costas. “Realmente a natação é boa para doenças respiratórias e para a coluna, joelho e a depressão, além de exercitar músculos. Por não ter impacto os benefícios são enormes”, afirma o professor de natação Leonardo Figueira.

Existem outras formas de se exercitar debaixo na piscina, caso a pessoa não goste de natação ou não saiba nadar. Aulas de deep running, correr ou caminhar em águas profundas, e hidroginástica  podem proporcionar queima calórica e o bem estar.

Para o professor de natação ter uma vida saudáve é comer bem, se exercitar, não se estressar, ter amigos, se divertir e fazer coisas que tem vontade. “ Acredito que é ter uma qualidade de vida para você mesmo e não para os outros”, finaliza.

 

Virada Esportiva 2013 acontecerá nos dias 21 e 22 de setembro

Logo Virada Esportiva Oficial_1279554691

Nos dias 21 e 22 de setembro São Paulo será palco de mais um grande evento : a Virada Esportiva 2013. Serão 34 horas seguidas de muita prática esportiva nos diversos bairros da capital paulista, desde às 8 horas de sábado até às 18horas de domingo. Os paulistas e visitantes poderão jogar e assistir mais de duas mil atividades em aproximadamente 200 lugares espalhados pela cidade.

Neste ano,durante a sétima edição, 45 centros esportivos municipais de administração direta, 45 Centros Educacionais Unificados (CEUs), 12 unidades do SESC, 10 parques, além de 90 praças e CDC’s (Clubes da Comunidade) farão parte da Virada.

Uma semana depois deste evento, no exato dia 28 de setembro, a prefeitura irá realizar o “Revirando A Virada”, programa  que oferecerá a oportunidade da prática esportiva noturna. Onze centros esportivos e o Parque Ibirapuera vão passar a funcionar por 24 horas nos finais de semana.

Veja a programação da Virada Esportiva 2013.

Associação promove caminhadas pela saúde em todo o Brasil

As atividades físicas têm papel fundamental na qualidade de vida de um indivíduo independente da idade, sexo, classe social e etnia. (Como já mostramos em matérias anteriores aqui no 1,2,3 corre). Mas mais do que isso elas são meios de reunir pessoas. E é por esse motivo e outros que entidades e associações realizam caminhadas a favor de uma causa.

Foi com essa idéia que a associação Unidos pela Vida está promovendo caminhadas para a conscientização da doença fibrose cística, doença genética, não contagiosa e ainda sem cura, caracterizada por problemas no sistema respiratório e digestivo. São sintomas dela: tosse crônica, pneumonia de repetição e diarréia. Segundo o Ministério da Saúde existem 3.500 brasileiros cadastrados atualmente no Brasil para tratamento dessa doença. O número poderia ser maior, porém muitas pessoas não sabem que são portadoras da fibrose, inclusive a doença é pouco conhecida pela sociedade médica.

Portanto, neste domingo, 8 de setembro, será celebrado, pela primeira vez, o dia mundial da fibrose cística. E para marcar a data as cidades de Aracaju, Salvador, São Luis, Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro, Joinville e Curitiba irão promover caminhadas. Além de celebrar e reunir, essas atividades têm o objetivo de conscientizar a população brasileira e divulgar a acessibilidade aos medicamentos indicados para o tratamento.

Portador ou não, vale a pena conferir de perto, participando das caminhadas. Em São Paulo, ela acontecerá às 10 horas no Parque Ibirapuera. Veja mais detalhes no site da Unidos pela vida.

1236319_722120831137116_632961125_n